Como lidar com pessoas que você não suporta (mas com quem é obrigado a conviver)


Revista Você S.A.

Às vezes você tem vontade de mandar acorrentar o seu chefe brucutu num rochedo, para um abutre lhe devorar o figado? No trabalho, tem que aturar gente que só fica enrolando, enrolando e nunca decide nada? Já está cansado de ouvir dos "frentes-frias" de plantão "não vai dar certo" ou "não tenho nada a ver com isso"? A úlcera ataca só de ouvir a voz do "sabe-tudo" do escritório, que parece que vive testando a sua paciência? Pois é. Ninguém está imune a conviver com gente insuportável. "Esse pessoal pode tornar sua vida estressante e desagradável, impedindo-o de alcançar metas importantes", dizem os médicos americanos Rick Brinkman e Rick Kirschner, autores do livro Como Lidar com Pessoas que Você Não Suporta (editora José Olympio). Especializados em questões relacionadas ao bem-estar psíquico e emocional, eles estenderam seus domínios para além do consultório e hoje também prestam consultoria a empresas como AT&T, Hewlett-Packard, Texaco e Quaker. Veja alguns de seus conselhos para lidar com essa turminha dificil de engolir:

1- Em primeiro lugar pare de perder tempo reclamando.
Ficar praguejando porque o outro não muda não ajuda em nada. Ao contrário, a frustração e as divergências tendem a piorar, o que pode acabar comprometendo seu moral e sua produtividade.

2- Tente mudar de opinião sobre quem você não suporta.
É difícil, sem dúvida. Mas talvez a tal criatura não seja assim tãããão intragável quanto você imagina. Respire fundo e procure ver o que ela tem de bom. Ouça-a de verdade. Aproxime-se dela. Ao mudar seu comportamento, a figura também aprenderá novas forrmas de agir com você.

3- Enfatize as semelhanças.
Para se relacionar bem(ou menos mal) com alguém cujo santo não bate com o seu, o primeiro passo é encontrar alguma afinidade, algum interesse comum. Você já não se viu conversando com alguém e de repente descobriu que ambos cresceram na mesma cidade ou estudaram no mesmo colégio? Nessa hora, as diferenças e as distâncias tendem a diminuir.

4 - Você quer ser ouvido e compreendido?
Pois então trate, antes, ouvir e compreender. Dê ao fulano abertura para ele falar o que quiser - sem fazer cara de tédio, é óbvio. Ao saber o que ele pensa e sente, a probabilidade de também querer escutar o que você tem a dizer aumenta consideravelmente.

5 - Esclareça.
Ao ouvir o que a pessoa quer falar, demonstre interesse. Como? Fazendo perguntas que exijam mais que um grunhido como resposta, bem entendido: "Do que está falando?", "A que está se referindo?", "Onde aconteceu?", "Quando?", "Como?". A capacidade de fazer perguntas certeiras é fundamental para obter as respostas que você quer.

6 - Seja franco.
Muito mais eficiente do que se supõe, a melhor política para conseguir o melhor das pessoas é estabelecer com elas um diálogo honesto e construtivo. Mas antes procure criar um clima de confiança e harmonia. Ou o tempo pode fechar ...

7 - Não perca a cabeça.
Todo mundo sabe que quando um não quer, dois não brigam. Sim, arme-se de paciência. Durante uma conversa ou uma reunião, quanto mais você discordar, mais iminente será a briga. Posicione-se, mas refreie os impulsos de levar a coisa para o lado pessoal. Não se queime à toa ...

8 - Às vezes, a melhor opção é capitular.
Nem todos os problemas têm solução, e alguns deles simplesmente não compensa resolver. Se a situação está insustentável, se tudo o que faz ou diz só piora as coisas e você acredita que a situação degringolou mesmo, lembre-se de que a prudência vale mais que a coragem. Fique na sua. Ou desista de vez.

Oratória

Próximas Turmas

Grupos com 15 alunos

22/01/2018 à 02/02/2018
(09 tardes - 2ª à 6ª das 14h às 17h30min)

17/02/2018 à 18/03/2018
(5 Sábados e 5 Domingos - 9h às 12h)

19/02/2018 à 02/03/2018
(10 noites - 2ª à 6ª das 19h30min às 22h30min)

Preencha aqui seus dados