Oratória é mais do que falar bem

Você tem talento para persuadir pessoas. Aprenda a usá-lo.

Afinal, O Que É Proatividade?

ImprimirEnviarFavoritos

Muito se fala sobre essa habilidade - fundamental a uma carreira bem-sucedida -, mas como desenvolvê-la? Saiba como prever, reconhecer e assumir a responsabilidade de interferir e fazer com que as coisas importantes aconteçam. É dessa forma que age um profissonal proativo!

Revista Vencer - por Carlos Hilsdorf

Os conceitos vivem dentro de nós e no dia-a-dia das organizações. Um grande conceito, quando compreendido e vivenciado, desenvolve vida própria e manifesta um incrível poder na realização de nossos objetivos e metas. Porém, isso só ocorre ao cumprirmos duas condições nitidamente evidenciadas no parágrafo acima:

1. É necessário compreender verdadeiramente os conceitos.

2. É imprescindível vivenciá-Ios, ou seja, permitir que eles sejam reflexos constantes do nosso comportamento cotidiano. Muitos dos enganos, falhas e insucessos dos planos pessoais e empresariais acontecem justamente porque não cumprimos essas duas condições. Nesta breve viagem pelo universo da proatividade, você irá refletir mais sobre isso.

Primeiramente, precisamos nos conscientizar de que, em geral, usamos mal as palavras, que, se retiradas do seu contexto original, sofrem distorções muito perigosas. Observe:

Com frequência dizemos amar alguém e segundos depois falamos amar chocolate - é claro que o verbo amar não possui o mesmo sentido, intensidade e intencionalidade nos dois casos. Utilizamos a mesma palavra para expressar sentimentos, sentidos e situações diferentes e, se não houver um contexto muito claro, que evidencie o significado do que pretendemos comunicar, estaremos diante de uma grande indeterminação.

Bem, mas qual é a relação disso com proatividade? Total! Além de ser uma palavra, proatividade é um conceito. Se a mudança de contexto de uma palavra já ocasiona dificuldade, quando migramos para o universo dos conceitos, as consequências serão ainda mais graves.

Um conceito só é válido dentro de um universo teórico/prático que lhe estabeleça sentido inequívoco. Não existe conceito que não esteja, necessariamente, ligado a uma teoria ou estabelecido por uma filosofia, crenças e valores. Se nós retirarmos um conceito do seu univerrso, além de perder o seu significado, perderá também o seu valor e, consequentemente, sua utilidade.

• Afinal, o que é proatividade?

Trata-se de um dos conceitos mais confundidos no mundo corporativo. Tornou-se um jargão, uma palavra utilizada a todo o momento e, na imensa maioria dos casos, de forma extremamente imprecisa. Nós não seremos proativos se não compreendermos proatividade como um conceito e se não o interiorizarmos até que seja parte fundamental do nosso repertório de respostas diante das questões propostas todos os dias pela vida.

Frequentemente, nas empresas, a palavra proatividade é utilizada como sinônimo de iniciativa. Isso já é um equívoco. A iniciativa faz parte do comportamento proativo, mas não é sinônimo de proatividade. Outro equívoco muito comum é o de empregar a palavra proatividade como sinônimo de fazer o que deve ser feito. Isso significa eficiência que, mesmo sendo parte do comportamento proativo, ainda não é sinônimo de proatividade.

A palavra é, ainda, muito utilizada como sinônimo de agilidade, assertividade, eficácia, prontidão, objetividade, dentre outras. Essas características são componentes da proatividade, mas uma só delas ou parte delas não representa a totalidade do conceito de proatividade! Dois dos grandes equívocos que enfraquecem o poder dos conceitos nas empresas são:

1. Confundir as partes com o todo. Um conjunto de características pode compor muito bem um conceito, mas qualquer uma delas isoladamente não o representa, apenas faz parte dele. Os tijolos compõem o edifício, mas ele não é sinônimo de tjolos!

2. Banalizar a utilização do conceito, descaracterizando seu verdadeiro e mais amplo significado.

Esses dois equívocos fazem com que o conceito de proatividade, que é poderoso, perca sua eficácia para nos tornar estrategicamente melhores. Se não conseguimos definir algo com exatidão, não podemos nos utilizar inteligentemente disso, seja um conceito, seja um sentimento, seja opinião.

• Cartão de visitas

Sugiro o seguinte exercício: pegue seu cartão de visitas, vire-o e utilize o lado não impresso para escrever a definição de um conceito à sua escolha. Se você não conseguir definir de maneira precisa o que é marketing, gestão, RH, competência, estratégia ou qualquer outro conceito no espaço em branco no verso do seu cartão é porque ainda não está claro o real significado e definição do conceito em questão.

No universo da aprendizagem, a última etapa a ser vencida é a capacidade de síntese. Quando falhamos na tentativa de sintetizar o que aprendemos, isso significa que o processo de aprendizagem não se completou. Claro que após essas reflexões, você praticamente exige que eu lhe forneça no espaço do verso do meu cartão de visitas a minha definição de proatividade, o que passo a fazer com prazer para depois mergulharmos juntos nas consequências, repercussões e usos estratégicos que podemos fazer a partir dela. Veja como defini proatividade no verso do meu cartão de visitas:

"Proatividade é o comportamento decorrente de um estado de consciência, prontidão e atitude que permite prever, reconhecer e assumir a responsabilidade de interferir e fazer com que as coisas aconteçam no tempo certo!"

A definição aqui proposta evidencia que proatividade é um estilo de resposta (atitude) que podemos adotar diante dos estímulos, dificuldades e desafios a que somos diariamente submetidos. Proatividade é a capacidade de interferir de maneira consciente, positiva e responsável. E em determinados momentos, agir rápido faz parte do comportamento proativo. Em outros, porém, agir mais lentamente também faz parte e este é um fator costumeiramente desconsiderado nas organizações. Confunde-se proatividade com agilidade.

A questão fundamental não é se a ação será rápida ou lenta, mas se é consciente, responsável e aponta na direção do melhor resultado possível. O que deve ser imediato é o comprometimento com a busca das soluções. Confundir "senso de urgência" com pressa é a causa de urna doença empresarial que batizei de proativitite.

É muito comum nas empresas o indivíduo que toma a iniciativa primeiro ser considerado proativo, enquanto alguém que apresenta os "e se... " ser considerado reativo. Isso é um erro gravíssimo! O primeiro pode estar sendo precipitado e o segundo sensato - sob a ótica da responsabilidade consciente, o segundo está sendo muito mais proativo que o primeiro.

• Proativo versus reativo

A principal característica das pessoas reativas é manter uma postura focada em fatores sob os quais não podem efetivamente interferir e utilizá-Ios como uma desculpa nobre para suas impossibilidades, limitações e insucessos.

O indivíduo reativo é aquele que faz da frase de Sartre "o inferno são os outros" o seu álibi, ou seja, a responsabilidade pode ser de qualquer um, menos dele. É o famoso "não é comigo", "não posso fazer nada a respeito". De maneira objetiva, o indivíduo reativo é aquele que não quer se responsabilizar. É o indivíduo aprisionado e dominado pelas circunstâncias. Indivíduos reativos são "vítimas" das circunstâncias.

Já nas pessoas proativas, a principal característica é manter o seu foco e seus esforços em áreas onde efetivamente podem interferir positivamente. O indivíduo proativo é aquele que se responsabiliza por modificar as circunstâncias, independentemente de elas terem ou não sido originadas por ele. Sua postura é: "Certamente existe algo que eu possa fazer sobre isso". Indivíduos proativos são agentes que, adotando uma postura consciente e responsável, interferem nas circunstâncias.

• Proativos e reativos diante da iniciativa

Você é do tipo que se responsabiliza e toma a iniciativa ou espera pelos outros? Responder a essa pergunta ajuda a definir se estamos sendo reativos ou proativos. Mas atente para a importância da palavra "responsabiliza" na pergunta.

Proativos não são os que simplesmente tomam a iniciativa. Quantas pessoas você conhece que têm uma iniciativa dez e um comprometimento zero? Indivíduos verdadeiramente proativos assumem a responsabilidade, ou seja, se comprometem a curto, médio e longo prazos. Uma pessoa que somente toma a iniciativa sem se responsabilizar pode ser um entusiasta ou um esperto (do tipo que diz "vamos" e espera que os outros façam tudo, ficando apenas no "apoio moral"), mas não necessariamente proativo.

Etimologicamente, o prefixo "pro" (de origem greco-latina) significa movimento para frente, antecipação (não confundir com precipitação). Isso nos dá uma importante característica da proatividade que é a disposição de estar alguns passos à frente. O proativo busca antever e agir sobre futuras necessidades. Ele sempre leva em consideração as possíveis repercussões e consequências de suas escolhas presentes.

Gosto muito de pensar também que o prefixo "pro" na palavra proativo signifique profissional. Assim, proativo é o indivíduo profissionalmente ativo. Nesse contexto aproveito para definir o conceito de profissional dentro dos padrões da excelência. E, como referência, veja o que escrevi no verso do meu cartão de visitas:

"É o indivíduo que realiza sua função com paixão, amor e maestria, num misto de arte e ciência. Indivíduo comprometido e movido pela busca incessante de resultados sempre superiores. Indivíduo facilmente reconhecido pelo seu grau de conhecimento, habilidade e atitude diante das dificuldades."

• Como estimular a proatividade

Quando definimos uma pessoa como proativa ou reativa não devemos rotular de maneira absoluta o seu comportamento. Ninguém é cem por cento proativo ou reativo em todas as áreas de sua vida. Em geral, as pessoas são um mix entre proatividade e reatividade. Se na composição desse mix a proatividade aparecer com maior frequência, diremos que ela é uma pessoa de tendência proativa. Caso seja a reatividade, diremos que é uma pessoa de tendência reativa. Mas é importante notar que proatividade é uma característica que podemos desenvolver e isso envolve mudança.

Quando estamos envolvidos com o universo da mudança de crenças, valores, hábitos e atitudes, preecisamos estar conscientes de que será difícil. Todas as crenças, valores, hábitos e atitudes antigas "lutarão bravamente por sua sobrevivência". Por isso, mudar é difícil, mas sempre possível.

Mudança é processo e consome tempo e dedicação. Nesse sentido, tenha sempre em mente que não há caminhos a percorrer, mas sim, estradas a construir! Após essas reflexões, convém encontrarmos maneiras de estimular nossa proatividade. Veja algumas providências que podem ser tomadas:

1. Enfatize a importãncia das coisas.

Valorize o que precisa ser feito. Encontre o significaado que deve motivar as atitudes. Parta da filosofia: "Pessoas importantes fazendo coisas importantes".

2. Busque a companhia de pessoas igualmente ou mais proativas que você, pois elas podem motivá-Io pelo exemplo e gradualmente vencer seus possíveis condicionamentos ainda reatlvos. 

3. Procure estar próximo a pessoas que lhe depositem confiança, apesar de qualquer limite temporário que possa apresentar. Acostume-se a pedir ajuda somente quando tiver esgotado. 

4. Procure integrar equipes que comemoram e reforçam positivamente as vitórias, mesmo as menores. Busque a cada oportunidade fortalecer a reputação de alguém sempre em busca de soluções, alguém que efetivamente agrega valor. 

5. Exercite o autoquestionamento, peguntando-se sempre se a sua resposta a uma determinada situação foi a mais adequada ou se seria possível um maior nível de proatividade diante da questão. 

6. Se você errou, não fique se remoendo em culpas. Abandone-as e, consequentemente, deixe de lado também as desculpas nobres (que daria a você mesmo ou aos outros). Procure verificar o que é posssível fazer para reverter ou minimizar os efeitos do erro.

7. Não abuse do ato de delegar. Escolha sempre algo realmente importante e comprometa-se com a realização dessa parte, fornecendo e solicitando feedback.

Lembre-se que você sempre pode adaptar esse raciocínio para inspirar e motivar outras pessoas a fazer o mesmo. Se está em posição de liderança, atente para o fato de que, de acordo com o conceito de proatividade, você deve sempre procurar sua parcela de responsabilidade. No caso da liderança, a responsabilidade pelos resultados será sempre sua. Em toda e qualquer estratégia, a responsabilidade maior cabe sempre ao maior nível hierárquico ou de liderança envolvido. Isso também é proatividade!

• Como se relacionar com pessoas reativas.

1. Nunca seja paternalista. Os reativos já possuem uma tendência natural para a dependência. Utilize sempre a autoridade sem autoritarismo. Seja firme com o problema, mas gentil com as pessoas, pois reativos tendem a fazer o papel de vítima, por isso não lhes dê esse espaço.

2. Desde o início deixe bem daro ao reativo quais são as responsabilidades dele diante da questão e as consequências de fazer ou não o que lhe está sendo solicitado. Evite totalmente o "terrorismo", jamais faça ameaças, enfatize sempre os benefícios de fazer versus os prejuízos em não fazer.

3. Sinalize que você está disiponível para ajudá-lo assim que ele tiver percorrido por conta própria o máximo possível do caminho rumo à solução.

4. Reativos são, frequemente, muito inseguros. Demonstre confiança na possibilidade que eles possam encontrar os recursos para resolver as questões propostas. Ofereça feedback frequentemente. Se você deixar que as coisas a serem ditas se acumulem e o fizer de uma só vez, o reativo vai se comportar de maneira ainda pior.

5. Utilize sempre a técnica do reforço positivo diante dos acertos e a técnica do "estou certo de que podemos ir além" diante dos resultados menos satisfatórios. Reforce sempre o senso de responsabilidade, nunca o da culpa.

6. Utilize o podr do exemplo exercido com humildade e de maneira não invasiva, sem ferir ou magoar aquele a quem se pretende motivar. Com o tempo, aquele que recebeu o exemplo perceberá que também pode realizar sozinho. Devemos ser sempre facilitadores, nunca exibicionistas em busca da nossa auto-afirmação.

Em síntese, o homem não é um mero espectador ou vítima, que apenas sofre e reage às forças exteriores. O homem é um ser criativo por natureza e por essa característica pode se antecipar e interferir sobre essas circunstâncias. O comportamento marcado pela mobilização de todos os seus esforços na busca de uma resposta positiva, consciente e responsável diante da vida é o que devemos compreender por proatividade. Nesse sentido, o homem é movido principalmente pela atração do que está adiante.

O indivíduo proativo é movido por visões, aspirações, objetivos e metas, ele não apenas reage, mas interage, agrega, modifica e interfere em tudo o que se encontra em sua zona de influência. O proativo modela a vida partindo da matéria-prima que a própria vida lhe dá. É alguém que, criado à imagem e semelhança do seu Criador, jamais se esquece dessa sua herança divina: a possibilidade de modificar as coisas que pode e deve modificar!

Novidades por E-mail
Inscreva-se em nossa newsletter e tenha acesso a artigos, notícias de Oratória, Leitura dinâmica e Administração do Tempo.

Nome:  
E-mail:  
Como conheceu?  

* Se não gostar, pode sair da lista a qualquer momento.
* Seu e-mail não será compartilhado com terceiros.